Ostra feliz não faz pérola

Texto de Rubem Alves

Ostras são moluscos, animais sem esqueletos, macias, que são as delícias dos gastrónomos. Podem ser comidas cruas, de pingos de limão, com arroz, paellas, sopas. Sem defesas – são animais mansos – seriam uma presa fácil dos predadores.
Para que isso não acontecesse a sua sabedoria as ensinou a fazer casas, conchas duras, dentro das quais vivem.
Pois havia num fundo de mar uma colónia de ostras, muitas ostras. Eram ostras felizes. Sabia-se que eram ostras felizes porque de dentro de suas conchas, saía uma delicada melodia, música aquática, como se fosse um canto gregoriano, todas cantando a mesma música. Com uma excepção: de uma ostra solitária que fazia um solo solitário… Diferente da alegre música aquática, ela cantava um canto muito triste… As ostras felizes riam dela e diziam: “Ela não sai da sua depressão…” Não era depressão. Era dor. Pois um grão de areia havia entrado dentro da sua carne e doía, doía, doía. E ela não tinha jeito de se livrar dele, do grão de areia. Mas era possível livrar-se da dor.
O seu corpo sabia que, para se livrar da dor que o grão de areia lhe provocava, em virtude de sua aspereza, arestas e pontas, bastava envolvê-lo com uma substância lisa, brilhante e redonda. Assim, enquanto cantava o seu canto triste, o seu corpo fazia o seu trabalho – por causa da dor que o grão de areia lhe causava.
Um dia passou por ali um pescador com seu barco. Lançou a sua rede e toda a colônia de ostras, inclusive a sofredora, foi pescada. O pescador se alegrou, levou-a para sua casa e sua mulher fez uma deliciosa sopa de ostras. Deliciando-se com as ostras, de repente seus dentes bateram num objeto duro que estava dentro da ostra. Ele tomou-a em suas mãos e deu uma gargalhada de felicidade; era uma pérola, uma linda pérola. Apensa a ostra sofredora fizera uma pérola. Ele tomou a pérola e deu-a de presente para a sua esposa. Ela ficou muito feliz…
Ostra feliz não faz pérolas. Isso vale para as ostras, e vale para nós, seres humanos.
As pessoas que se imaginam felizes simplesmente se dedicam a gozar a vida. E fazem bem. Mas as pessoas que sofrem, elas têm de produzir pérolas para poder viver. Assim é a vida dos artistas, dos educadores, dos profetas. Sofrimento que faz pérola não precisa ser sofrimento físico. Raramente é sofrimento físico. Na maioria das vezes são dores da alma.

Anúncios

Sobre Cristianismo Total

Cristianismo Total é um blog evangélico que tem como objetivo difundir a fé Cristã, que é a mensagem através da qual o Deus Eterno se revelou à humanidade.
Esse post foi publicado em Textos Criativos e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Ostra feliz não faz pérola

  1. juliana leal disse:

    Lindo!!!! Considero as mães de crianças especiais como uma dessas ostras: recebem da vida um ser diferente e passam por muito sofrimento, como preconceito, sofrimento físico ao ver o filho sofrendo e excluido de uma vida aparentemente normal, às vezes sem poder brincar como as outras crianças, às vezes mesmo sem poder falar, ouvir ou enxergar as cores do mundo; até mesmo muitos sem poder se alimentar por via oral como os demais, sem sentir o sabor do chocolate por exemplo. Mas essas mães fazem o mesmo que a ostra sofredora: cobrem seu filho com amor, carinho e proteção e prepara-o para ser especial, e nisso conta com o auxílio de um grande aliado: o DEUS DO IMPOSSÍVEL que calado e invisível não desampara e não abandona nenhum dos dois. Acrescento isso porque sou uma menina de 10 anos muito feliz que vivi respirando com auxilio de aparelhos e tenho duas ostras cuidando de mim: meu pai e minha mãe, que sempre me dizem: você é mesmo nossa pérola preciosa e cada dia fico maior e mais linda. Se quizer me conhecer me mande um e-mail e verá como sou linda!!!

  2. marconi oliveira disse:

    Incrível… cada um de nós já esteve ou estará em situações semelhantes a esta ostra, porque os melhores tesouros desta vida são fabricados nos momentos de dor e aflição, ou seja, a nossa dor de hoje pode resultar em alegria amanhã.

  3. Roberto Silva disse:

    Amei essa historia das ostras!!! É a minha história; aos 18 anos decidi realizar meus sonhos como todo homem, que é se casar e ter filhos; com três meses de casado recebi a noticia da minha amada que estava grávida; chorei muito porque não estava pronto para ser papai, mais tudo bem. No ano de 1987, nasceu meu bebe; foi uma criança muito doentinha e ao 18 meses de vida descobrimos que nossa filha era especial; fiquei muito revoltado com Deus, porque eu tinha falado para Ele que não queria filho deficiente; mas ao passar do tempo vi o propósito de Deus nessa história; conheci a Jesus através da minha filhinha que é minha perolá. Louvado seja Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s