Cristologia (Parte 3) – A Humanidade de Cristo

I.) Definição
Cristo é verdadeiro homem. Este é na verdade um dos poucos pontos em que todos os estudiosos dos evangelhos concordam atualmente.

II.) Bases Bíblicas
a.) Dois dos evangelhos iniciam colocando Jesus na lista genealógica da humanidade (Mt 1.1-16; Lc 3.23-38).
b.) Cristo tinha um corpo humano, podia ser visto, sentido, apalpado (1 Jo 1.1). Ele nasceu (Gl 4.4), cresceu (Lc 2.52), alcançou a maturidade, apareceu em forma de homem. Sentiu fome (Mt 4.2), teve sede (Jo 19.28), dormiu, sentiu cansaço (Jo 4.6), ou seja, Ele foi sujeito às limitações da humanidade.
c.) Jesus Cristo também possuía uma alma humana, isto é, um espírito com seus poderes ou faculdades – intelecto, sentimento, vontade e consciência. Ele simpatizou, chorou, teve todos os sentimentos próprios de um homem: alegria (Lc 10.21), tristeza (Mt 26.37), amor (Jo 11.5), compaixão (Mt 9.36), surpresa (Lc 7.9) e ira (Mc 3.5); Pensou, falou, quis, escolheu dessa e daquela maneira, gemeu em espírito e se perturbou (Mt 26.38; Lc 23.46).
d.) Ele recebeu nomes humanos como: Filho do Homem (Lc 19.10), Jesus (Mt 1.21), Filho de Davi (Mc 10.47), Homem (Is 53.3; 1 Tm 2.5).
e.) A humanidade de Jesus é ainda confirmada pelo fato de ter sido tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado (Hb 4.15). Jesus não participou do pecado original e permaneceu sem pecado durante toda a sua vida, mas como verdadeiro homem ele suportou o peso e o poder da tentação a um ponto que jamais iremos experimentar.

III.) Sua Vida Religiosa
A referência à vida religiosa de Jesus pode parecer estranha sendo ele mesmo objeto de nossa adoração. Todavia, as condições da encarnação claramente envolveram Jesus na atividade religiosa:
a.) Jesus participou da adoração pública (Lc 4.16);
b.) Ele claramente estudou, meditou e explicou a Escritura (Mt 4.4ss; 19.4; Lc 2.46; 24.27);
c.) Jesus freqüentemente orava publicamente (Lc 3.21) e algumas vezes orava a noite inteira (Lc 6.12);
d.) João dá testemunho da vida de submissão absoluta de Jesus ao Pai e sua total dependência daquele que o enviara (Jo 4.34; 6.38; 12.49).

IV.) Aplicações Práticas
a.) A vida religiosa de Jesus citada acima deve servir de inspiração para nós. Se Ele sentiu necessidade de estar em comunhão com o Pai através da oração e da Palavra, quanto mais nós temos essa necessidade!
b.) Ele pode se compadecer de nós em relação às nossas fraquezas e tentações, pois Ele foi tentado em todas as coisas à nossa semelhança, ainda que sem pecar!

Anúncios

Sobre Cristianismo Total

Cristianismo Total é um blog evangélico que tem como objetivo difundir a fé Cristã, que é a mensagem através da qual o Deus Eterno se revelou à humanidade.
Esse post foi publicado em Cristologia e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s